terça-feira, junho 15, 2004

O resumo de minha vida...

Algumas coisas aconteceram para eu criar coragem e escrever o que vem abaixo... É meu testemunho de vida.

Nasci em São Paulo cercada de primos de mesma idade e na igreja (da Casa Verde) tinha vários amiguinhos e era bastante extrovertida. Me converti cedo (aos 3), mas só bem depois é que Deus começou a agir em mim.

Aos 5 anos mudei-me para o interior com meus pais. Tudo mudou. Não tinha mais amigos e parentes por perto, estava isolada. Quando entrei na escola, foi pior. Só me apareceram "amiguinhas" que eram chupins e me faziam de gato-e-sapato, só me procurando para trabalhos da escola e muitas vezes tendo de pedir ajuda à minha mãe porque nenhuma delas aparecia para me ajudar... Fiquei amarga e cada vez mais odiava a cidade em que estava morando. Comecei a descontar nos outros, ficar brava por pouco, e a falar coisas que podiam machucar as tais "amiguinhas". Depois isso começou a se "entranhar" em mim e não percebia mais quando machucava as pessoas com meus comentários.
Quando dei por mim (aos 13 mais ou menos) eu já era azeda, tinha 0 amigos de verdade, era super tímida e insegura e mal conseguia dizer o que sentia, simplesmente, explodia e me trancava no quarto para chorar de angústia.

Foi aos 15 que Deus começou a agir: quando Ele me fez ver que eu precisava mudar URGENTE e que daquele jeito não dava mais. Aos poucos Ele foi me trazendo amigos, primeiro por cartas, correspondentes e confidentes e depois ao vivo. Seu nome era Érica Watarai. Digo ERA porque Deus a tem hoje a seu lado. Ela era mais carente e mais insegura e mais baixo auto-estima que eu já era. Mas ela tinha algo muito bom que eu não tinha: ela se importava mais com as outras pessoas do que com ela mesma. Por isso queria que ela se sentisse mais confiante, não inferior aos outros, mas capaz e feliz... e aí comecei a mudar. Por causa dos correspondentes, aprendi a me abrir com as pessoas, e por causa da Érica aprendi a fazer as pessoas rirem a me importar com elas e se estavam tristes ou não. Aprendi a ser extrovertida de novo. Aprendi que era eu mesma que fazia as "provaveis amizades" verdadeiras se afastarem. E num acampamento aos 15 anos aprendi o principal: PERDÃO. Perdoei quem me magoou, pedi perdão a quem sabia que tinha magoado e o principal: Deus não me deixa mais no sossego quando percebo que magoei ou fui magoada por alguém, simplesmente não durmo tranquila até conseguir falar com a pessoa e ter tudo limpo e perdoado.

Quando voltei a São Paulo (aos 17) para estudar em faculdade, ainda era tímida e torrona e Deus novamente me ensinou através de pessoas. Através da minha prima Talita. Morei quase 3 anos com ela. Brigamos feito irmãs (acho, pq nunca tive irmã, apenas irmãos) e da chata e perfeccionista que eu era, melhorei um pouco ao perceber que algumas atitudes minhas eram mais que exageradas e erradas. Só parei de ser tão chata e perfeccionista quando fui morar numa república onde as demais moradoras (com algumas excessões) eram mais perfeccionista que eu. Doeu, chorei, mas aprendi. Mas antes disso, acabei morando quase 1 ano sozinha e entrei em depressão. Cheguei ao ponto de toda vez que passava num viaduto, por um milésimo de segundo... mas parava de pensar nisso por cauda dos meus pais. Porque achava que ninguém, além de meus pais, iria se importar se eu sumisse, não me sentia amada, nem mesmo importante para qualquer coisa que estivesse fazendo ou participando. Achava que Deus podia me substituir e pronto, não precisava mais de mim e eu já nem sabia mais se amava Deus de verdade. Foi quando, numa reunião de oração, Deus falou através de um irmão por meio de revelação, sem nem ao menos ele (o irmão) saber do assundo antes: "Deus sabe que você O ama, Ele sabe o quanto você se importa com seus pais. Ele te ama.". Depois isso sempre me veio na cabeça quando ficava deprê.

No meio disso tudo também tinha meu lado sentimental e era esse o motivo principal de ter ficado deprê. Mas aí, nesse sentido, Deus acabou me mostrando que eu não estava pronta para isso e que eu era como um diamante bruto, sendo lapidado. A cada lasca arrancada, uma dor, uma provação, mas cada vez mais próxima do que Ele queria para minha vida.
Então apareceu o Othon aos meus 21 anos. Dessa história a maioria já sabe. Deus me respondeu à oração que vinha fazendo desde os 15. E com bônus.
Mas o processo ainda não estava terminado... E ainda não acabou. Ainda me acho horrível e feia fisicamente, ainda me acho incapaz. Mas Ele tem me capacitado e mostrado que aos Olhos d'Ele sou bonita e do jeito que Ele queria que eu fosse desde antes das células-tronco se dividirem...

Aonde quero chegar com tudo isso?

Deus me mudou de várias maneiras. Mudou até meu temperamento. Ainda sou lapidada aos poucos e dói. Mas dou graças a Ele por cada lasca de imperfeição tirada de mim. Por tudo que Ele fez e tem feito na minha vida. E por Ele me amar, mesmo eu achando que não valho a pena.

Desculpa a todos que tiveram a paciência de ler tuuuudooo isso. Espero não ter chocado ninguém.
Paz no Senhor.

Nenhum comentário: